Cientistas revelam “nova luz” que mata micróbios e pode evitar pandemias


Abajur com lâmpada
Ouça o novo disco de Lazúli!

 

A cada dia, a gente parece mais próximo de voltar à rotina do mundo antes da pandemia.

Além da derrubada das restrições impostas pela COVID, um grupo de cientistas nos Estados Unidos deu mais esperança ao afirmar que um “novo tipo de luz ultravioleta” mata quase todos os micróbios presentes em qualquer cômodo. Dessa forma, a descoberta pode ajudar no fim da pandemia e no surgimento de uma outra.

Segundo os pesquisadores da Universidade de Columbia e St. Andrews (via The Independent), as luzes são seguras para as pessoas e demoraram menos de cinco minutos para reduzir o número de micróbios no ar em mais de 98%, ou seja, elas possuem eficácia quase total.

As lâmpadas podem ser instaladas no teto e ajudar a limpar o ar dentro dos cômodos, impedindo a transmissão de doenças como a COVID–19 ou a gripe, e diminuindo as chances de que aconteçam pandemias semelhantes no futuro.

“A quantidade de micróbios ativos no ar interior cai para quase zero, tornando-o essencialmente tão seguro como o exterior,” destacou David Brenner, diretor do Centro de Pesquisa Radiológica da Faculdade de Médicos e Cirurgiões da Universidade de Columbia.

O profissional, também coautor da pesquisa, ainda disse que “utilizar essa tecnologia em locais onde as pessoas se reúnem em ambientes fechados pode evitar a próxima pandemia”.

Luz ultravioleta no combate à COVID

Chamada de “Far-UVC light” (luz UVC de longa distância), a tecnologia é descrita em um novo artigo publicado na Scientific Reports. Conforme informou David:

A luz é simples de instalar, barata e, acima de tudo, é uma maneira segura de evitar a transmissão de qualquer vírus, incluindo a Covid-19 e as suas variantes, bem como gripe e também quaisquer possíveis vírus pandêmicos futuros.

Os cientistas observaram que a tecnologia é válida porque funciona até mesmo quando os vírus sofrem mutação e, assim, os micróbios não se tornam resistentes ao longo do tempo, exatamente como o efeito das vacinas ou medicamentos.

Experiências no passado

Nos últimos anos, os pesquisadores testaram com sucesso a luz UVC de longa distância em experiências pequenas, utilizando câmaras experimentais para perceber como afetavam micróbios e pessoas.

Na análise, os cientistas usaram uma câmara do tamanho da sala e a tornaram muito bem ventilada como se fosse uma casa ou escritório. Durante a experiência, o ar foi trocado três vezes por hora e depois era pulverizada uma névoa de bactérias na sala ao acenderem as lâmpadas especiais.

Em aproximadamente cinco minutos, mais de 98% dos micróbios transportados pelo ar foram eliminados e mesmo quando novos surgiam no cômodo o nível seguro de micróbios continuou baixo. No total, o efeito de limpeza pode ser comparado a mudar o ar da sala 184 vezes por hora.

Em circunstâncias normais, somente é possível atingir, no máximo, o equivalente a cerca de 20 trocas de ar. A nova pesquisa foi a primeira usada em salas em tamanho real.

LEIA TAMBÉM: Keith Richards dá conselho sobre COVID ao amigo e negacionista Eric Clapton: “faça o que o médico mandar”

Ouça o novo disco do Scalene!

 

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 





Source link

Related Articles

Stay Connected

22,952FãsCurtir
3,334SeguidoresSeguir
19,700InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles