Lira e Pacheco anunciam acordo para promulgar partes comuns da PEC dos Precatórios


Trechos que foram modificados no Senado serão votados pela Câmara na próxima terça, 14

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo – 04/08/2021Pacheco (à esquerda) e Lira (à direita) conseguiram entrar em acordo para a promulgação da PEC

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciaram na noite desta terça, 7, um acordo para que a parte da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios que foi aprovada com o mesmo texto pelas duas casas sejam promulgadas, de forma que o governo federal tenha espaço fiscal para financiar o novo programa social para as pessoas mais pobres, o Auxílio Brasil. As partes modificadas pelos senadores voltarão a ser apreciadas pelos deputados na próxima terça, 14. “Os pontos comum garantem espaço fiscal de R$ 60 bilhões. Está sendo feito agora esse trabalho de identificar o que pode ser promulgado”, comentou Pacheco.

“Há entendimento de líderes da Câmara para avaliar [as mudanças feitas pelo Senado] com muita sensibilidade, como acredito que o presidente Pacheco e os líderes do Senado confiam nessa pactuação. A Câmara e o Senado trabalharão juntos para que a gente encerre essa PEC”, disse Lira. “Mesmo que mantenhamos o texto que o Senado aprovou, o texto ainda vai ter que ir novamente ao Senado por conta da PEC que apensamos. Mas o Senado tem a facilidade de funcionar remotamente. Vamos resolver isso na semana que vem”, completou o presidente da Câmara. “Conseguimos o que era fundamental, garantir o espaço fiscal para a implantação do programa social, sem prejuízo da possibilidade de tudo aquilo que o Senado fez de inovação ser eventualmente referendado pela Câmara na próxima terça-feira. É de se celebrar”, afirmou Pacheco.

A PEC dos Precatórios abre espaço de estimados R$ 106,6 bilhões no orçamento de 2022, o que permite ao governo criar um novo programa social, o Auxílio Brasil, atendendo mais pessoas e com benefícios maiores. Dois mecanismos são usados para tal: um limite anual no pagamento de precatórios, que são dívidas do governo federal que já não têm mais recurso na Justiça, de R$ 50 bilhões, e uma mudança no cálculo da inflação usada para limitar o teto de gastos. Na votação no plenário do Senado, foi alterado o prazo de validade do subteto (o limite anual do pagamento de precatórios) de 2036 para o ano de 2026. O novo texto também estabelece que o valor “economizado” anualmente pelo adiamento das dívidas judiciais será obrigatoriamente utilizado para o Auxílio Brasil e outras iniciativas de seguridade social, como saúde e Previdência, além de determinar que a renda básica é direito constitucional garantido aos cidadãos em situação de vulnerabilidade.

 





Source link

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Stay Connected

22,952FãsCurtir
3,113SeguidoresSeguir
19,000InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles