Mais de 320 auditores da Receita Federal entregam cargos em protesto a corte de verbas


Entrega coletiva de cargos teve início ontem e se intensificou após a aprovação do Orçamento 2022 pelo Congresso, que consolidou o corte de R$ 1,2 bilhão nos recursos do órgão e não incluiu uma gratificação já acordada com o Ministério da Economia

Arquivo/Agência BrasilMais de 320 auditores fiscais em cargos de chefia formalizaram o pedido de exoneração desde a terça-feira, 21, segundo informações do Sindifisco

O número de auditores fiscais da Receita Federal que entregaram seus cargos chegou a 324 nesta quarta-feira, 22. O movimento teve início ontem e representa um protesto da categoria contra o corte de aproximadamente R$ 1,2 bilhão na verba do órgão, supostamente para custear o reajuste salarial de policiais federais. Segundo o Sindifisco, cerca de R$ 600 milhões deste valor foram cortados da verba para o setor de Tecnologia de Informação (TI), o que prejudicaria a manutenção dos sistemas do Fisco. “Há um sentimento de indignação e de descaso muito profundo”, afirma Kleber Cabral, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais (Sindifisco). “Todos os órgãos são importantes, mas o papel institucional da Receita Federal merece mais atenção do que vem recebendo.”

A exoneração coletiva, de acordo com Cabral, foi desencadeada pela soma do corte de verbas à insatisfação com um acordo que o Ministério da Economia não teria cumprido em relação ao “bônus de eficiência”. A gratificação, que deveria ter valor variável de acordo com o desempenho dos auditores, está prevista em lei desde 2017, mas ainda não foi regulamentada. “Houve um compromisso dos ministros Ciro Nogueira [Casa Civil] e Paulo Guedes, e do presidente Jair Bolsonaro, de assinar o decreto com o suplementação orçamentária de até R$ 400 milhões para essa gratificação”, explica o presidente do Sindifisco. Ele explica que o montante deveria ser incluído no espaço fiscal aberto pela PEC dos Precatórios, mas o acordo não foi respeitado por parte do governo, o que intensificou a indignação com o corte de verbas. “Tem que haver um compromisso que possa ser crível e cumprir o que foi acordado, porque ninguém quer trabalhar num órgão sucateado”, diz Cabral.





Source link

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Stay Connected

22,952FãsCurtir
3,118SeguidoresSeguir
19,000InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles