Por que Pernambuco é mais um entrave para as negociações entre PT e PSB


Socialistas comandam o Estado há 16 anos e esperam contar com o apoio dos petistas nas eleições de 2022; senador Humberto Costa (PT-PE) foi aprovado como pré-candidato ao governo pernambucano

Reprodução/Twitter/@SenadorHumbertoNo Twitter, Humberto Costa afirmou que tem ‘plena compreensão da precedência que tem o PSB em encabeçar a chapa da Frente Popular’

As tratativas entre PT e PSB para as eleições de outubro de 2022 ocorrem em várias frentes e vão da formação de uma federação partidária à escolha de candidaturas nos Estados, passando pela possibilidade de filiação do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que deixou o PSDB e é cotado para compor a chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no pleito presidencial. Dirigentes socialistas mantêm o otimismo em relação às negociações a nível nacional, mas avaliam que as arestas regionais representam, hoje, o maior obstáculo para a consolidação da aliança entre as duas legendas.

O imbróglio envolvendo São Paulo, onde o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) e o ex-governador Márcio França (PSB) aparecem como pré-candidatos ao governo, é o mais emblemático, mas o caso pernambucano é tido como outro entrave relevante, na avaliação de um integrante da Executiva Nacional do PSB ouvido pela Jovem Pan. Pernambuco é um reduto histórico dos socialistas, que comandam o Estado há 16 anos e não abrem mão da candidatura para o Palácio do Campo das Princesas. Na reta final de seu segundo mandato, o governador Paulo Câmara (PSB), que deve disputar uma vaga no Senado, trabalha para emplacar o seu sucessor. O nome mais cotado para a disputa era o ex-prefeito de Recife Geraldo Júlio (PSB), que desistiu de lançar sua candidatura. O apoio do PT a Júlio estava encaminhado. Além de São Paulo e Pernambuco, a cúpula do PSB quer o apoio dos petistas no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Espírito Santo.

Em paralelo, o PT aprovou a pré-candidatura do senador Humberto Costa (PT-PE) ao governo do Estado no início da segunda quinzena de dezembro. Apesar do movimento interno, o parlamentar fez um aceno aos aliados do PSB em uma postagem no Twitter. “Meu nome está à disposição para o diálogo, para a composição, para a construção da unidade da Frente Popular. Vem para contribuir, jamais para dividir. Tenho plena compreensão da precedência que tem o PSB em encabeçar a chapa da Frente Popular. Mas entendo que o debate fortalece nosso campo, assim como tem ocorrido na discussão ao Senado. Está também vinculado à discussão de uma aliança nacional da qual o PSB é parceiro de 1ª hora. Nada está definitivamente posto. Tudo é discutível dentro de um enorme leque de diálogo”, escreveu Costa.





Source link

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Stay Connected

22,952FãsCurtir
3,113SeguidoresSeguir
19,000InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles